Criar é um prazer, preservar é uma obrigação!

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Neophema Word - Em 6 capitulos ► Genética Basica

 Histórico
Genética (do grego genno; fazer nascer) é a ciência dos genes, da hereditariedade e da variação dos organismos. Ramo da biologia que estuda a forma como se transmitem as características biológicas de geração para geração. O termo genética foi primeiramente aplicado para descrever o estudo da variação e hereditariedade, pelo cientista Wiliam Batesson numa carta dirigida a Adam Sedgewick, da data de 18 de Abril de 1908.
Os humanos, já no tempo da pré-história utilizavam conhecimentos de genética através da domesticação e do cruzamento seletivo de animais e plantas. Atualmente, a genética proporciona ferramentas importantes para a investigação das funções dos genes, isto é, a análise das interacções genéticas. No interior dos organismos, a informação genética está normalmente contida nos cromossomos, onde é representada na estrutura química da molécula de DNA.
Os genes, em geral, codificam a informação necessária para a síntese de proteínas, no entanto diversos tipos de gene não-codificantes de proteínas já foram identificados, como por exemplo genes precursores de microRNAs (miRNA) ou de RNAs estruturais, como os ribossômicos. As proteínas, por sua vez, podem atuar como enzimas (catalisadores) ou apenas estruturalmente, funções estas diretamente responsáveis pelo fenótipo final de um organismo. O conceito de "um gene, uma proteína" é simplista e equivocado: por exemplo, um único gene poderá produzir múltiplos produtos (diferentes RNAs ou proteínas), dependendo de como a transcrição é regulada e como seu mRNA nascente é processador pela maquinaria do splicing.
A genética nas aves foi largamente estudada por Charles Darwin mostrada claramente no seu livro “A Origem das espécies” o estudo feito com Pombos, cujo melhoramento foi evidente cruzando espécimes de melhor porte, além de criar novas combinações de cores e até estruturas ósseas diferentes dos ancestrais através da seleção comprovando que a genética é um fator determinante na evolução das espécies, conhece-la é o segredo para inúmeros fatores evolutivos como o aumento da longevidade, erradicação de doenças e a simples perpetuação das espécies.
Genética nas aves:
Na criação de aves de cativeiro a genética foi responsável por todas as variedades de cores, padrões e porte de todas as aves criadas em cativeiro, as conhecidas mutações, a Europa foi o berço dos maiores criadores de aves considerados verdadeiros geneticistas, conhecendo a fundo as estruturas das aves ancestrais e criando mutações cada vez mais variadas e em seguida combinando-as trazendo uma infinidade de cores e padrões em aves hoje criadas no mundo todo como canários, Fringilideos, Columbiformes, Psitacídeos entre muitos outros. As neophemas proporcionam um grande prazer ao criador pela possibilidade de cruzar as mutações existentes e combina-las para obtermos filhotes de várias cores diferentes da ancestral. Para entendermos a genética é necessario conhecer alguns conceitos básicos conforme explicaremos abaixo:
Fenótipo:
O fenótipo são as características observáveis ou caracteres de um indivíduo, por exemplo: morfologia, desenvolvimento, propriedades bioquímicas ou fisiológicas e comportamento. O fenótipo resulta da expressão dos genes do organismo, da influência de fatores ambientais e da possível interação entre os dois. O genótipo são as informações hereditárias de um organismo contidas em seu genoma, que podem ser observados normalmente. Nem todos os organismos com um mesmo genótipo parecem ou agem da mesma forma, porque a aparência e o comportamento, assim como os demais componentes do fenótipo, são modificados por condições ambientais e de desenvolvimento. Do mesmo modo, nem todos os organismos cujas aparências se assemelham possuem necessariamente o mesmo genótipo.
Genótipo:
O genótipo nada mais é que o código de informações contidas em nosso Genoma, material hereditário herdado dos progenitores e ancestrais. Esse material nada mais é do que o conjunto dos cromossomos que se situam no núcleo das células. Os cromossomos são interpretados como uma sequência de genes. São os genes os portadores das informações que condicionam o fenótipo. Ao conjunto dos genes de um indivíduo damos o nome de genótipo. Sendo assim, podemos dizer que o genótipo, que é o conjunto dos genes, condiciona os fenótipos totais, que é o conjunto das variáveis compreendidas pelos genes. Cada gene pode ter formas alternativas, denominadas alelos.

Exemplo 1 - Casal de N. splendida:
Macho: Selvagem portador de azul
Femea: Azul
Resultado do acasalamento:
Filhotes azuis – Nesse caso o Fenotipo da ave é azul.
Filhotes normais portadores de azul – Nesse caso o Fenótipo é selvagem, e no genótipo a ave carrega a mutação azul.

Caracteristicas de comportamento:
A genética tambem é responsável por caracteristicas de comportamento nas aves, os criadores de canários, periquitos e agapornis utilizam a técnica de seleção genética a muito tempo, afim de melhorar sua produtividade, padrão e principalmente, criar aves mais aprimoradas, mais aptas a reprodução. Nas Neophemas existe pouco, ou nenhum estudo feito com essas características, devido a problemas como excasses de matrizes para aquisição, excesso de consanguinidade e falta de conhecimento entre os criadores.

Devemos avaliar alguns pontos para escolha de nossos futuros reprodutores.
►1) Controle genético: Em todos os estudos genéticos é necessário um histórico de cada indíviduo, por várias gerações para que se possam avaliar os resultados da seleção. Num criadouro de aves basta um controle simples de cada ave contendo informações como: Nascimento, Início reprodutivo, Quantidade de posturas, quantidades de ovos fecundados, historico de doenças, avaliação de qualidade de femeas que incubam pefeitamente, qualidade de machos com habilidade em copular e fecundar ovos, ausencia de transtornos (arrancar penas de filhotes, canibalismo, interrupção de incubação, comer ovos), após uma análise de todos os fatores citados obtemos uma média que associada ao fenótipo e genótipo do pássaro vão nos direcionar para o acasalamento perfeito. Machos descendentes de machos ruins tem grande potencial de serem também ruins, femeas que botam poucos ovos ou não incubam provavelmente terão filhotes com as mesmas caracteristicas, se o transtorno é observado em pelo menos duas gerações fica comprovado a transferência hereditária. DICA: Sempre mantenha no plantel, filhotes dos casais mais produtivos.
►2) Porte/tamanho: A seleção é fator determinante na qualidade de reprodutores, devemos preservar o tamanho original da ave em sua natureza, em cativeiro isso normalmente não é respeitado, os criadores normalmente criam seus maiores filhotes e os cruzam entre sí, resultando em filhotes grandes demais, desajeitados e até com problemas de postura devido ao tamanho excessivo, da mesma forma se cruzarmos filhotes pequenos, teremos uma prole cada vez menor, com tamanho reduzido saindo do pradrão da espécie. Devemos observar as aves antes do acasalamento, tentando balancear os pares para não causar diferenças entre os filhotes. DICA: Cruze sempre aves compatíveis – médias X médias, grandes X médias, Muito Grandes com pequenas e vice versa.
A genética é sem dúvida o fator mais importante na criação de pássaros, a observação associada ao histórico genético faz com que o resultado seja alcançado mais rapidamente trazendo inúmeros benefícios para o criador.

No proximo artigo abordaremos as estruturas de plumagem nas neophemas,
para entendermos melhor os acasalamentos corretos.

Agradecimentos.:
Rodrigo Marcusso - Exotic Parrot Park
Clube dos Psitacídeos®

seja o primeiro a comentar!

Biblioteca » Completa de Postagens e Artigos

Postagens populares

Desenvolvido por Antonio Silva ^